quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Entrevista a: Marta Vieira - campeã europeia de hóquei em patins

Ainda antes de saber que a Marta Vieira, uma das jogadoras mais tecnicistas do hóquei em patins português, ia deixar a equipa do SL Benfica, fui fazer-lhe uma entrevista para este espaço dedicado ao SL Benfica. Apesar de me anunciar que ia deixar o clube, gentilmente acedeu ao meu pedido, por tal e por tudo o que fez enquanto desportista do SL Benfica lhe agradeço.

Farmácia Franco: Como chegaste ao hóquei em patins? O que te fez apaixonar por este desporto?

Marta Vieira: Cheguei ao hóquei em patins quase por acaso, a minha mãe trabalhava no pavilhão e eu de ver, acabei a experimentar e ficou. Mas puxando a cassete atrás a onde, eu ainda nem tinha nascido, um irmão da minha avó que morreu muito jovem foi guarda-redes de hóquei e os meus pais, foram apresentados por uma internacional portuguesa que jogava hóquei, Susana Montenegro, são coincidências engraçadas, gosto de contar, parece que mesmo antes de nascer, eu já estava destinada a adorar este desporto.

Abdicas de muito na tua vida pelo hóquei?

Bem sempre abdiquei, desde pequena, de festas de anos, de saídas com amigos, de uma outra coisa mas nada que se compare aos últimos três anos, abdiquei da minha família mais chegada, com quem cresci e acho que em parte foi isso que dificultou tudo, ainda não estava, nem sei se já estarei pronta para deixar de ser “pequenina”, às vezes gostava de ser o Peter Pan e assim a carreira no hóquei até durava mais, era bom.

Foram esses factores que te fizeram sair do SL Benfica?

Pronto está visto que a pergunta anterior já previa de certa forma a minha resposta, fico “feliz” por me ter feito entender junto daqueles que nos seguiam.

Tens expectativa de voltar a jogar pelo SL Benfica? A porta ficou aberta?

Se a porta ficou aberta ou não, é algo que não depende de mim mas no que depende posso dizer que acho que a máxima do nunca digas nunca é importante de se carregar na vida e eu de certa forma apenas precisava de mais duas coisas lá (Lisboa) e acho que se continuasse em forma, acabaria a carreira no glorioso. Portanto um dia até que se pode proporcionar.

O SL Benfica é provavelmente o clube do mundo onde uma jogadora de hóquei tem mais visibilidade, até porque transmite através da BTV para todo o mundo, sentem maior responsabilidade/pressão a jogar no SL Benfica que em outras equipas onde jogaram?

Eu admito que sou fã dessa visibilidade, porque isso lá está tem a ver com o a vontade de cada um, com a personalidade, logo eu sempre achei piada, nunca tive a noção de quantas pessoas me estariam a ver mas sempre quis que fossem quantas fossem, gostassem de mim, tanto dentro como fora de campo, pois cheguei a fazer alguns programas e o certo é que acabei a fazer algumas amizades, logo para mim não havia pressão, quando o jogo passava na BTV ou ia a BTV, era o momento alto da minha semana, adorava, até porque era mais uma oportunidade que via para orgulhar os tais elementos que me faziam falta ai na grande cidade.

Existindo esse canal de tv, qual a tua opinião sobre não transmitir todos os jogos pelo menos do Campeonato Nacional, mesmo que em diferido?

Claro que não sou de acordo, sobretudo porque se repetem imensos programas, nessas horas em que repetem podia sim dar em diferido, não só os nossos como de outras modalidades, porque para um adepto do SLB que interesse tem ver mais que uma vez um jogo da premier league?

Apesar do SL Benfica ser dos clubes do mundo com mais sócios e ter milhões de adeptos, as assistências em casa não estão de acordo com esta realidade, sentes mais a grandeza do SL Benfica nos jogos fora e nas condições de trabalho? 

Há todo um leque de fatores que justificam essa falta de assistências, como o fato de sermos raparigas, como o fato de puderem ver o jogo pela BTV na comodidade de casa, sem terem que apanhar frio, gastar dinheiro, tempo ou gasolina mas pronto, em relação a condições e em certas horas cruciais conseguimos sem dúvida sentir a grandiosidade do Benfica, embora acredito que se fossemos rapazes tinha sido bem melhor, eramos profissionais em vez de amadoras, nos jogos importantes tínhamos aquele pavilhão gigante e lindo cheio mas pronto, é o que é, quem gostava mesmo de nós, acabou sempre por aparecer e agradeço isso, mesmo que tenha sido só uma vez.

Muitas vezes os vossos jogos eram à mesma hora que os de outras modalidades (masculinas) do SL Benfica, achas que isso prejudicou as assistências dos vossos jogos? Não achas que devia haver uma coordenação para que os vossos jogos fossem antes ou depois dos de outras equipas mais acompanhadas do clube? 

Sem dúvida que prejudica e haver coordenação nisso, seria fantástico e creio que não prejudicaria ninguém mas talvez não seja possível, não estou por dentro desse tipo de assuntos, apenas se fosse eu a mandar, claro que tentaria fazer diferente mas eu sou suspeita para falar.

Assisti a um jogo da fase Sul do Campeonato Nacional em que após o fim do jogo oficial, sem tempo de descanso, a equipa do SL Benfica se dividiu em duas que efectuaram um pequeno jogo treino mais intenso que o jogo oficial, a principal intenção deste treino era a preparação para a Taça Europeia? A baixa competitividade da maioria dos jogos nacionais é uma desvantagem que vos faz ter que trabalhar mais nos treinos para poder competir na Europa?

O Benfica é grande e fez o que qualquer clube com as suas condições faria, juntou um grupo de atletas muito fortes, o que faz toda a diferença, o trabalho surge naturalmente num meio como este, pois não há lugares garantidos, não tinha que ver nem com o campeonato, nem com a Europa a meu ver, era apenas trabalhar para ter lugar.

Surpreendeu-te a recepção no aeroporto depois da vossa brilhante vitória na Taça Europeia?

Esse dia esteja onde eu onde estiver estará comigo, fará sempre as lágrimas correrem-me pela cara, até porque mais uma vez duma forma curiosa, quando era pequena dizia a minha mãe que aquilo ia acontecer, ela até escreveu sobre isso no Facebook, só que infelizmente mais uma vez não tive lá toda a gente que gostava de ter num momento daqueles mas tive os meus pais, irmã e dois amigos que vieram do Norte de propósito só mesmo para me abraçar, caras conhecidas e desconhecidas que celebraram com muito carinho aquele nosso feito único, é difícil esconder a tristeza que deixa não se puder repetir isso, vezes e vezes sem conta mas tenho orgulho de puder dizer que o vivi, o que já é ótimo.

Marcaste, contra o HC Mealhada, um bonito golo que foi mostrado até em sites espanhóis, foste estrela pelo mundo fora, como te sentes em relação a isso?

Eu marquei esse golo e nessa noite fui de fim-de-semana para a margem sul e desliguei-me um pouco do mundo mas às tantas liguei o Facebook e recebi mensagens a falar do golo e do vídeo, fiquei muito surpresa por o terem partilhado, ainda hoje não sei quem gere aquela página mas devo-lhe um agradecimento pois durante imenso tempo vi as visualizações aumentarem e fiquei incrédula, mais de 20 mil visualizações é muito, algo que também sonhava mas que não sabia que ia conseguir, trabalhava aquilo nos treinos e no momento achei que era oportuno fazê-lo e só quero dizer que não é de todo desmérito da guarda-redes, acho que foi um lance surpresa só eu sabia o que ia sair dele, era quase impossível ela adivinhar o lance e se o tivesse feito a estrela era ela, não eu, portanto correu tudo bem.

video

Vocês ganharam tudo em Portugal, com apenas 2 empates e nenhuma derrota, ganharam a Taça Europeia (foram a única equipa portuguesa campeã europeia este ano), no entanto o prémio CNID para melhor equipa do ano foi para uma equipa que ficou em 5º lugar no seu campeonato nacional, não ganhou nada em Portugal e venceu uma taça secundária na Europa; achas que foram discriminadas por serem uma equipa feminina? Ou as equipas do SL Benfica este ano ganharam tanto que quiseram premiar um clube a precisar de vitórias (mesmo que simbólicas)?

Sinceramente eu não sei quem ganhou mas fico muito desiludida e até gostava de saber quais foram os critérios para não termos sido nós, só que o que lá vai, lá vai, agora é tarde e fica esse dissabor de não ter ganho um prémio desses, que me parece mais do que um reconhecimento merecido.

Este ano jogou-se o Campeonato da Europa de selecções, tinhas expectativa em fazer parte da equipa?

Não, não tinha.

Passa-te pela cabeça uma experiência no estrangeiro ou isso não é fácil como jogadora de hóquei?

Bem surgiu um convite este ano só que eu já tinha a minha decisão tomada, assinatura feita, portanto não fui e agarrada aos meus como sou, não sei é se aguento mas é algo que é muito ambicionado por jogadoras portuguesas, por mim inclusive, pode ser que sim, a ver vamos.

O jogo feminino é diferente do masculino, especialmente em termos de contacto físico e espaços; costumam assistir frequentemente a jogos masculinos? Tentam aprender com eles e transpor isso para a vossa forma de jogar?

Eles são mais rápidos, mais fortes, … É algo fisionómico logo por muito que tentemos o nosso hóquei vai ser sempre diferente mas acho que em termos táticos e técnicos já nos conseguimos igualar, logo ver jogos deles é claro uma forma de aprender mas acho que até se assiste mais por paixão, por gosto a modalidade.

Quantas vezes por semana treinam? Achas que as condições de treino são as ideais para a equipa?

No Benfica eram três vezes por semana por norma e quanto as condições de treino em si, eram as ideias, o problema é mesmo existir uma vida para além do hóquei, às vezes como amadoras, não é fácil gerir tudo.

Uma vez que no desporto feminino, em Portugal, há tendência para as desportistas terminarem a carreira relativamente cedo, pensas jogar até que altura da tua vida?

Ora aqui está uma pergunta a qual não tenho resposta, porque a minha vida ainda não tem um caminho trilhado nem é possível de prever, acho que me fico por um vou andando e vou vendo.

Se pudesses mudar alguma coisa no hóquei feminino em Portugal, o que seria?

Vou ser muito “gananciosa” se calhar, mas era bom receber nem que fosse ¼ do que alguns atletas masculinos recebem, quem me dera puder viver como eles vivem do hóquei, há melhor do que se fazer o que se gosta e tem jeito como profissão ou pelo menos um extra.

Notei no final de alguns jogos que há um bom espírito de camaradagem entre as jogadoras das diversas equipas, isso é transversal a todo o hóquei feminino ou deve-se ao facto do SL Benfica ter jogadoras provenientes de algumas dessas equipas?

Não é algo de 100% mas quase, é um meio pequeno, temos uma coisa pelo menos em comum (o hóquei) é normal que exista essa tal camaradagem, se bem que o facto de termos vindo de outros clubes ainda faz com que existam mais relações.

Que mensagem gostavas de deixar aos benfiquistas?

Partilho a mensagem com que me despedi no meu Facebook e muito obrigado a ti por esta oportunidade.


“Para alguns já não é novidade, para alguns será mas o certo é que o coração tem razões que a própria razão desconhece! Logo aqui fica a minha "despedida" que será muito curta para tanto que tenho e há por dizer pois não foram dois dias, foram três anos! Mas pronto no dia 14 de Junho encerrei um ciclo, não oficialmente mas encerrei, nesse dia fiz o meu último jogo com o manto sagrado vestido, porque por vezes ganhar não é tudo e valores bem mais altos se elevam, nunca mas nunca me habituei a ausência dos meus, que me acompanharam ao máximo claro mas não tanto como eu precisava, como eu queria, portanto na impossibilidade de eles me acompanharem, regresso eu, regresso eu com muitos sonhos guardados a mesma na mala mas com muitos sonhos também já realizados, sonhos esses que realizei neste clube que é realmente GIGANTE, portanto o meu obrigado a cada uma das pessoas que trabalhou comigo estes três anos (jogadoras, equipa técnica, btv, fisioterapeutas, etc) e a todos os que me apoiaram, família, amigos, adeptos, alguns que agora até trago como grandes amigos, logo a esses e não só digo, não se preocupem, nem façam aquele típico comentário "estás a ser muito burra" porque eu sempre ouvi dizer "Quem está mal que se mude" e eu não estava propriamente mal, estava era triste, não estava realizada e isso, em coisas que realmente importam e por vezes no meu próprio hóquei fazia toda a diferença, os que me conhecem sabem disso. Ainda assim espero ter deixado a minha marca, espero que se recordem de mim com carinho, assim como eu vou recordar tudo, desde o primeiro ao ultimo segundo, porque não foi perfeito mas foi inesquecível e agora vou é continuar a aproveitar bem a vida, que ela é demasiado curta para ser desperdiçada, façam o favor de serem felizes!

Porque a única coisa insubstituível nos clubes são os adeptos, continuarei sempre parte do Benfica”

3 comentários:

  1. Grande jogadora, grande campeã! Deliciei-me a ver-te jogar. É uma pena que abandones o SLB.
    Obrigado por tudo o que deste ao hóquei feminino do Glorioso. E faz o favor de seres feliz, lá onde a tua vida se desenrolar.

    ResponderEliminar
  2. Gostei d'à entrevista muito fixe muito cinsera boa prima

    ResponderEliminar
  3. Foi pena esta atleta nos ter deixado! Não sei exactamente o que a levou a tomar essa decisão, mas espero que não tenha sido nada que o nosso clube rejeitasse! Sem ela a nossa equipa continua forte e a dar frutos, mas uma coisa é certa, se ela cá estivesse tenho a certeza que era uma mais valia. E tínhamos feito "talvez" o Bis na Europa.

    ResponderEliminar